Romanos 1:16

“Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, e também do grego.”

O que seria sentir vergonha do evangelho? O que Paulo queria dizer com essa expressão? Lendo os versículos anteriores percebemos que Paulo tinha intenção de visitar a igreja em Roma. E a visita não seria uma simples ocasião social, tinha um próposito específico, como podemos perceber no versículo 13: “Não quero, porém, irmãos, que ignoreis que muitas vezes propus ir ter convosco (mas até agora tenho sido impedido) para também ter entre vós algum fruto, como também entre os demais gentios.” O fruto que Paulo queria só poderia ser obtido de uma forma: por meio da proclamação do evangelho. E ele não tinha vergonha de expor este evangelho.

Quando eu era criança, lá na década de 1970, o percentual de evangélicos na população brasileira era bem menor do que é hoje. Me lembro que declarar sua fé (ainda mais quando se é criança, sem um entendimento claro do que isso implica) significava, muitas vezes, enfrentar a chacota de coleguinhas, ou pior, não saber responder as perguntas que os curiosos faziam. Para um adulto, levar a Bíblia debaixo do braço o classificava como parte de uma minoria. Se sua fé não fosse bem firmada, com certeza você sentiria vergonha da situação.

Mas não é dessa vergonha que Paulo fala em Romanos 1:16. Muito mais do que ser rejeitado, proclamar o evangelho naquela época implicava em colocar sua própria vida em risco. Em II Coríntios 11:24-27 temos uma noção das consequências que Paulo teve que enfrentar por pregar o evangelho:

“Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um (39 X 5 = 195 açoites!). Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos; Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez.”

Veja bem, só podem existir dois motivos para Paulo sofrer tanto: ou ele era um louco masoquista, ou ele sabia de algo que compensava, e muito, toda essa adversidade. E o que ele sabia? Leia Romanos 1:16 de novo. O motivo está lá: o evangelho é o poder de Deus para a salvação!

Para você pensar: Será que conhecemos esse poder? Se de fato o conhecemos, não teríamos então que ter mais disposição de testemunhar sobre esse evangelho? Qual foi a última fez que você proclamou esse evangelho? Temos obtido algum fruto de nosso testemunho? As pessoas com as quais convivemos (escola, trabalho, família) são impactadas por nosso testemunho? Até que ponto estamos dispostos a testemunhar?

Anúncios

Sobre Wilson Moraes

Brasileiro, casado com a Maria José, pai do Gabriel, da Jordana e da Camila. Procurando servir a Deus de maneira intensa e verdadeira. Colocando minha vida a serviço do Seu Reino.
Esse post foi publicado em Romanos e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s