I Coríntios 12:4-7

“Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.”

O que diferencia a Igreja de todas as outras formas de organizações humanas? A Igreja se equipara a qualquer outro clube ou associação? O que faz com que a Igreja se torne única em sua forma de existência? Seria a estrutura eclesiástica? Seria a crença em algum dogma distinto? Ou poderia ser ainda as atividades e projetos que ela desenvolve em prol da sociedade?

A resposta principal é que a Igreja é o Corpo de Cristo na Terra. Ela não é uma organização. Ela é um organismo vivo. A Igreja é o principal meio pelo qual Deus se manifesta ao mundo. A Igreja é o lugar onde Deus expressa seus desejos e projetos, buscando parceiros para sua concretização. E quando falamos que Deus se expressa pela Igreja, isso só pode acontecer pela atuação do Espírito Santo. E o Espírito Santo só age pela manifestação dos dons espirituais. Portanto, ser ignorante sobre este importante assunto é ser ignorante sobre o cerne do que seria a própria Igreja. Paulo faz essa alerta logo no primeiro versículo deste capítulo.

E esta manifestação do Espírito não é para apenas alguns membros da Igreja, ou apenas para a liderança ou os irmãos mais bem dotados e habilidosos. É para cada um! Todos são chamados a exercer os dons. Qualquer membro do corpo que não exerça suas funções faz com que todo o corpo fique aleijado. Um corpo é sadio apenas quando todos os membros estão ativos.

Mais à frente, no versículo 31, Paulo diz: “Portanto, procurai com zelo os melhores dons...”. Isto nos leva a uma pergunta que muitos cristãos não sabem responder:

Qual é o meu dom?

Diante da necessidade de se procurar os melhores dons, esta dúvida pode atormentar muitos membros da Igreja que querem descobrir qual é sua função no Corpo de Cristo. É uma pergunta válida, mas perigosa. Perigosa, pois nela estão escondidos três erros fundamentais:

  1. O dom não é “meu”: O dom não é uma propriedade individual. O dom só faz sentido quando ele é usado em benefício do Corpo de Cristo. Um olho não pode se vangloriar por ter o dom da visão, a não ser que tenha alguma utilidade para todo o corpo. Isoladamente ele não tem serventia alguma. Na verdade, qualquer membro separado do corpo, por mais orgulho que tenha de seu dom, é algo nojento e desagradável. O dom é dado para ser dado;
  2. Não precisamos dar nome aos dons: Há uma facilidade muito grande em colocarmos uma “etiqueta” no dom como forma de se conseguir reconhecimento. E isso pode causar frustração. O dom não precisa ser reconhecido para ser atuante. O fígado é um bom exemplo. Um órgão interno, no qual ninguém presta atenção, a não ser quando está doente. Ao agir normalmente, ele produz hormônios sem os quais o corpo não funciona. Mas ninguém se lembra de dizer: “Parabéns, Sr. Fígado! Você está fazendo um excelente trabalho!” Todos os dons são necessários, mesmo quando não reconhecidos. O único reconhecimento que interessa é o que vem da Cabeça, Cristo, que recompensa a todos com justiça e no seu devido tempo;
  3. Você pode (e deve) exercer mais de um dom: Apesar de Paulo relacionar alguns dons em I Coríntios 12 e em Romanos 12, isso não significa que a lista se esgota ali. A diversidade de dons faz com que, eventualmente, no seu raio de ação, você precise desempenhar uma função que normalmente não seria sua. Alguém que tenha o ministério de louvor, por exemplo, pode entrar em contato com alguém que precise de oração para uma cura. Um intercessor pode exercer a hospitalidade. Um evangelista pode ser um líder. E todos nós somos chamados para uma grande variedade de dons, tais como servir, exortar ou repartir.

Afinal como descobrir quais são os meus dons? A pergunta precisa ser trocada. “Qual é o meu dom?” precisa dar lugar para “O que posso fazer agora para servir ao Corpo, e ajudar a fortalecer a fé de meus irmãos?” Percebam que o foco muda da própria pessoa para a Igreja. E ao responder esta pergunta você vai descobrir qual o dom que pode ser exercido naquele momento.

Para você pensar: Você já descobriu como servir ao Corpo de Cristo? Você não está confundindo habilidade com dom? Você está atento para, no seu raio de ação, descobrir como pode ser útil à Igreja, ajudando a fortalecer a fé dos irmãos?

Anúncios

Sobre Wilson Moraes

Brasileiro, casado com a Maria José, pai do Gabriel, da Jordana e da Camila. Procurando servir a Deus de maneira intensa e verdadeira. Colocando minha vida a serviço do Seu Reino.
Esse post foi publicado em 1 Coríntios e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s